André Calvelo é pego em antidoping e Gabriel Santos ganha nova chance de índice

  • André testou positivo para substância não revelada
  • Gabriel Santos, nono colocado nos 100m, será convocado para uma tomada de tempo válida para a Olimpíada
André Calvelo é pego em antidoping e Gabriel Santos ganha nova chance

Rio de Janeiro, Brasil – Na noite desta sexta-feira (23), uma bomba explodiu na natação brasileira. A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) informou que um atleta, classificado para os Jogos Olímpicos após a seletiva nacional, havia falhado em teste antidoping. A entidade, no entanto, não revelou o nome do nadador.

Trata-se de André Calvelo, de 20 anos, que venceu a final dos 100m nado livre, segundo apurou o blog Olhar Olímpico, da UOL  Ela foi suspenso provisoriamente pela Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) e está fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Em nota no começo da noite, a CBDA revelou que o teste foi feito fora do período de competição, no dia 18 de março.

“Como o comunicado foi enviado à CBDA nesta sexta-feira, às 15h33, todos os resultados do nadador na seletiva olímpica estarão suspensos provisoriamente até decisão em contrário. Vale ressaltar que o processo corre em sigilo e informações complementares são responsabilidade da agência reguladora”, informou.

Gabriel Santos, nono colocado nos 100m, será convocado para uma tomada de tempo válida para a Olimpíada. Se nadar abaixo do índice olímpico, 48s57, ele vai à Tóquio. Se nadar abaixo de 48s87, entra no revezamento 4x100m livre. Se não, a vaga fica com Felipe Ribeiro Souza, quinto na final de ontem.

Em agosto de 2019, Gabriel também foi suspendo por doping. Ele testou positivo para clostebol, proibida pela Agência Mundial Antidoping (Wada, em inglês). À época, Gabriel recebeu oito meses de punição, o que o tiraria da seletiva nacional, mas ele conseguiu provar que houve contaminação de amostra, embora tenha ficado fora do Mundial de natação em Gwangju.

Comentários (0)

Leave a Reply

© 2018-2020 Agência Olímpica.

Rolar para cima