Colégio paraense rouba a cena e é vice-campeão dos Jogos Escolares no futsal

Colégio paraense rouba a cena e é vice-campeão dos Jogos Escolares no futsal

Blumenau, Santa Catarina – Faltou pouco para o Colégio Santa Rosa, de Belém, no Pará, acabar com uma sequência de cinco títulos consecutivos do Colégio Amorim, de São Paulo, no futsal masculino, nos Jogos Escolares da Juventude. Apesar do placar de 6 a 3, os paraenses roubaram a cena com um futebol vistoso e uma torcida inflamada na arquibancada.

“Esse é um projeto que já tem nove anos e é a sétima vez que disputamos a etapa nacional dos Jogos Escolares. Conquistamos um título no sub-14 (2013) e esse é o quarto vice-campeonato no sub-17 (2012, 2014, 2015 e 2019). Começamos com três sessões de treinos por semana, sempre na própria escola, mas agora treinamos cinco vezes e competimos aos finais de semana”, explica o técnico Ignacio Neto.

Apesar de ser uma escola privada em Belém, a maioria dos atletas da equipe do Santa Rosa recebe bolsa integral graças ao projeto esportivo da instituição. Isso se aplica não apenas ao futsal, mas também a outras modalidades, casos do basquete e do vôlei. Como tantos colégios presentes aos Jogos Escolares, a proposta é que o esporte e a educação deem um horizonte para muitos desses jovens.

“Acreditamos que a escola é um agente transformador de vidas. Não ligamos somente para as partes tática e técnica do jogo, mas para a trajetória deles como cidadãos. O resultado é consequência desse trabalho”, diz Ignacio.

Em Natal 2018, com a mesma equipe-base que está em Blumenau (SC), o Santa Rosa não passou da primeira fase e terminou a competição em sétimo lugar, tendo perdido seus dois jogos para Minas Gerais e São Paulo.

“Vencemos a regional no ano passado, mas caímos em uma chave difícil e tivemos dois atletas machucados, o que prejudicou um pouco o nosso desempenho. Mas demos sequência ao trabalho, mantivemos a base da equipe, e sete jogadores de 2018 disputaram a final em 2019”.

Alguns dos principais jogadores da equipe paraense se dividem entre as quadras e os campos. É o caso de Vinicius Danin, capitão e camisa 10 da equipe, e de Pedro Aquino, pivô e camisa 9, que defendem o Remo.

Se tudo der certo, ambos podem trilhar o mesmo caminho de outros alunos que passaram pelo Santa Rosa e hoje defendem grandes clubes do futebol brasileiro, como Vinicius Zanocelo, da Ponte Preta e da seleção sub-20, e João Diogo, que passou por Cruzeiro e Figueirense e atualmente defende o Karpaty, da Ucrânia.

Os Jogos Escolares da Juventude são uma realização do Comitê Olímpico do Brasil (COB), com o apoio da Prefeitura de Blumenau e do Governo do Estado de Santa Catarina, por meio da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte).

Comentários (0)

Leave a Reply

© 2018-2020 Agência Olímpica.

Rolar para cima