Boxe enfrenta ameaça separatista antes de Tóquio 2020

Data:

Entidade internacional responsável pelo torneio olímpico de boxe, AIBA, que enfrenta crise com o COI, agora terá que lidar com federações nacionais dissidentes

O boxe amador enfrenta uma ameaça separatista antes dos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, depois que a Associação Internacional de Boxe (AIBA) elegeu um presidente acusado de ligações com o crime organizado.

A federação afirma que um “grupo desonesto”, liderado por “indivíduos cazaquistaneses”, pediu às federações nacionais de boxe que escrevessem ao Comitê Olímpico Internacional (COI) oferecendo ajuda para organizar o torneio olímpico de boxe sem a AIBA.

- Advertisement -

A entidade publicou, na sexta-feira (9), o que disse ser uma carta modelo organizada pelo grupo dissidente. A carta, não assinada, dirigida ao COI, diz que “o nosso grupo está pronto para fornecer os conhecimentos técnicos necessários e condições financeiras suficientes” para executar o torneio, citando “a terrível situação do boxe”.

As relações entre o COI e a AIBA são tensas desde que o empresário uzbeque Gafur Rakhimov foi eleito presidente da AIBA, em novembro, derrotando o cazaque Serik Konakbayev.

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos alegou que Rakhimov é um traficante de heroína ligado ao crime organizado e o colocou sob sanções. Rakhimov nega as acusações.

A AIBA corre o risco de ser descredenciada como entidade olímpica, após o COI solicitar, em novembro, um inquérito sobre as finanças, a governabilidade e a ética da instituição. Até junho, quando o resultado do inquérito será divulgado, o órgão está proibido de entrar em contato com os organizadores de Tóquio em 2020.

Uma pessoa próxima às autoridades cazaques de boxe falou à Associated Press que a cópia publicada pela AIBA é genuína. Uma figura importante de uma federação nacional de boxe disse que foi procurada para assinar a tal carta, mas não o fez. O COI não sabe nada sobre estas propostas, segundo afirmou o porta-voz Mark Adams à AP.

A AIBA disse que lançou uma força-tarefa para investigar e disciplinar as pessoas envolvidas na circulação da carta, acusando-as de “sabotar a posição da AIBA dentro do movimento olímpico”.

“AIBA assume que o COI dispensou e se distanciou de todas e quaisquer atividades iniciadas por este grupo de indivíduos”, acrescentou a AIBA. “O COI foi contatado no que diz respeito à carta, no entanto, nenhuma resposta foi dada em troca”.

- Advertisement -
Gabriel Lima
Gabriel Lima
Gabriel Lima é jornalista, formado pela Universidade Federal do Pará. Já participou da cobertura dos Jogos Olímpicos da Juventude em Buenos Aires, 2018. Na ocasião, esteve responsável pelas notícias e atualizações da ginástica artística.

Compartilhe

Recentes