Thiago Braz e Darlan Romani estreiam com pódios na Liga Diamante 2019

Thiago Braz e Darlan Romani estreiam com pódios na Liga Diamante 2019

Os dois brasileiros conquistaram medalhas na etapa de abertura do principal circuito de competições da IAAF, em Doha, no Catar

Os brasileiros Thiago Braz e Darlan Romani estrearam bem na Liga Diamante, principal circuito de competições da IAAF. Os dois conquistaram medalha nesta sexta-feira (3) na etapa de abertura da competição, em Doha, no Catar.

O campeão olímpico Thiago Braz garantiu a prata no salto com vara, com 5,71 m, seu melhor resultado ao ar livre do ano, ratificando índices para o Pan-Americano de Lima e para o Mundial de Doha.

O campeão da prova foi o norte-americano Sam Kendricks, ouro no Mundial de Londres 2017 e bronze nos Jogos do Rio 2016, com 5,80 m (ainda tentou 5,85 m). O bronze foi para o japonês Seito Yamamoto, com 5,61 m.

Thiago, que havia ficado domingo em quarto lugar no GP Brasil Caixa, em Bragança Paulista (SP), com 5,45 m, começou a competição desta sexta-feira com 5,46 m, superando na segunda tentativa. Depois passou na primeira 5,61 m, e na segunda 5,71 m. Falhou nos três saltos a 5,80 m.

“Ele poderia ter feito um pouco mais, as tentativas de 4,80 m não foram boas. Mas ele está treinando muito bem e foi a primeira vez em que colocamos 18 passadas na corrida na temporada. Mas a marca confirma o índice do Mundial e o trabalho segue para acertos da técnica e para manter o nível que ele tem”, afirmou o técnico Elson Miranda, de Doha.

O próximo compromisso de Thiago Braz será a disputa do Sul-Americano de Lima, no Peru, de 24 a 26/5.

No arremesso do peso, Darlan voltou a mostrar muita regularidade, terminando em terceiro lugar, com 21,60 m, marca obtida na quarta tentativa. No total, conseguiu cinco arremessos acima dos 21 metros: 21,24 m, 21,42 m, 21,60 m, 21,39 m e 21,23 m.

O recordista sul-americano e campeão da Copa Continental de 2018 só foi superado por duas feras: o norte-americano Ryan Crouser, campeão olímpico no Rio 2016, com 22,13 m, e o neozelandês Tomas Walsh, campeão mundial em Londres 2017, com 22,06.

No GP Brasil Caixa, no dia 28/4, Darlan ficou em segundo lugar, com 21,69 m, perdendo para o nigeriano Chukwuebuka Enekwechi, que marcou 21,77 m. O catarinense também ratificou qualificação para o Pan de Lima e para o Mundial de Doha.

“A regularidade é uma meta importante, assim como arremessar sempre acima dos 21 m”, comentou o atleta de 28 anos.

Comentários (0)

Leave a Reply

© 2018-2020 Agência Olímpica.

Rolar para cima