notícia e opinião sobre esporte

Brasil termina o Mundial de paratletismo na inédita segunda posição

Dubai, Emirados Árabes Unidos – O Brasil encerrou o Mundial paralímpico de atletismo com um resultado inédito. Pela primeira vez na história, o país terminou em segundo lugar no quadro geral de medalhas, com 39 pódios. Foram 14 ouros, nove pratas e 16 bronzes.

Apesar do segundo posto, o Brasil não superou o número de medalhas de Lyon 2013. Naquela ocasião, foram 40, sendo 16 ouros, dez pratas e 14 bronzes. Em Londres, há dois anos, ficou em nono, com 21: oito de ouro, sete de prata e seis de bronze.

A China, novamente, foi a campeã geral, com 56 pódios: 24, 21 e 11, respectivamente, ouro, prata e bronze. A Grã-Bretanha repetiu o terceiro lugar de 2017, desta vez com 28 medalhas (13, 9, 6), 11 a menos que na edição passada.

O resultado foi comemorado pelo Comitê Paralímpico do Brasil (CPB). Jonas Freire, chefe da delegação brasileira em Dubai, chamou de “fenomenal” a perfomance dos brasileiros na competição.

“Estamos extremamente contentes. A performance dos nossos atletas foi fenomenal. Treinamos muito para estar aqui, só temos a agradecer o empenho deles e agora começa a expectativa para Tóquio”, disse.

Nesta sexta-feira (15), último dia do torneio, o Brasil faturou suas duas últimas medalhas: bronze de Adriano de Souza na classe RR3 da petra (para paralisados cerebrais) e o bronze também nos 100m da classe T63 (amputados de perna) de Vinícius Rodrigues.

O Brasil conquistou medalha em todas as provas disputadas no campo. Foram seis ouros e cinco bronzes, o que corresponde a 28% dos pódios brasileiros em Dubai.

A próxima edição do evento já tem loca definido. Será em Kobe, no Japão, em 2021.

Leia também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao continuar usando este site, você concorda com a utilização de cookies. AceitarLeia mais