Aumento de casos de Covid-19 obriga Osaka a cancelar revezamento da tocha na região

Osaka, Japão – O governador de Osaka, Hirofumi Yoshimura, afirmou nesta quarta-feira (7) que o revezamento da tocha olímpica não vai passar pela região por causa do aumento nas infecções por coronavírus.

Como Osaka tem lutado com um número recorde de novos casos de covid-19, Yoshimura disse em uma coletiva de imprensa que o evento, marcado para os dias 12 e 13 de abril, não poderá ser realizado.

O revezamento da tocha em todo o país, que começou em 25 de março na prefeitura de Fukushima, no nordeste do país, estava programado para passar por todas as 47 prefeituras do Japão antes da cerimônia de abertura olímpica, em 23 de julho.

O cancelamento de Osaka lança outra sombra sobre os esforços do comitê organizador para convencer o público japonês de que as Olimpíadas e Paraolimpíadas podem ser realizadas com segurança em meio à pandemia.

Mas a decisão de cancelar o evento não apenas na cidade, mas também em toda a província de Osaka, veio ao confirmar um recorde de 878 casos de coronavírus nesta quarta-feira (7).

Os organizadores locais decidiram cancelar as rotas que passam pela cidade de Osaka depois que o governo do primeiro-ministro Yoshihide Suga pediu a prefeitura e duas outras áreas que tomassem medidas mais rígidas contra a doença.

Faltando menos de quatro meses para o início das Olimpíadas, muitas pessoas no Japão estão céticas quanto à realização dos Jogos de Verão em meio à pandemia.

De acordo com uma pesquisa da Kyodo News no mês passado, apenas 23,2% dos entrevistados queriam que as Olimpíadas e Paraolimpíadas ocorressem neste verão, em comparação com 39,8% que queriam que fossem canceladas.

Recentes