Realização dos Jogos Olímpicos pode dar início a um novo surto de Covid-19, dizem especialistas

Tóquio, Japão – A um ano do início dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, cientistas afirmam que a realização dos eventos pode dar início a um novo surto da pandemia. A informação pode ser um balde de água fria nos planos dos mais otimistas.

Na visão de alguns médicos, até o ano que vem poucas pessoas terão anticorpos contra o coronavírus e as vacinas ainda não estarão totalmente acessíveis.

Tanto o Comitê Olímpico Internacional (COI) quanto os governos da cidade e do estado de Tóquio estão empenhados em tentar evitar ao máximo que a pandemia comprometa ainda mais os Jogos.

Apesar do aumento do número de casos da Covid-19 em Tóquio, o Japão tem mantido a pandemia sobre controle nos últimos meses. Mesmo assim, a situação preocupa a comunidade médica sobre o que pode acontecer durante os jogos.

A agência de notícias Reuters entrevistou alguns especialistas em doenças infecciosas que chegaram a uma conclusão: as Olimpíadas aumentariam os riscos de um novo surto.

De acordo com Daiichi Morii, médico da equipe de controle de infecções do Hospital Universitário de Osaka, não há dúvidas de que a infecção vai aumentar com o avanço das Olimpíadas.

“O vírus mal está sob controle, pois estamos interrompendo a entrada de pessoas do exterior. Em eventos como as Olimpíadas, o vírus entrará com certeza e o número de infecções aumentará inevitavelmente”, destacou Morii.

O próprio sucesso do Japão em conter a pandemia é um dos motivos que preocupa especialistas. Isso porque uma pesquisa mostrou que apenas 0.1% dos moradores de Tóquio têm anticorpos contra o coronavírus. Sendo assim, para Katsunori Yanagihara, professor da Escola de Medicina Tropical e Saúde Global da Universidade de Nagasaki, há poucos infectados e, portanto, grande parte parte da população ainda está suscetível ao vírus.

Diante desse cenário, ter anticorpos é essencial caso haja uma nova infecção e enquanto não há uma vacina. Atualmente, cerca de 100 vacinas estão sendo testadas, mas na visão dos especialistas mesmo que haja uma, não haverá tempo hábil para a produção em massa em um evento que reunirá pessoas de, pelo menos, 200 países.

Na segunda-feira passada (6), o presidente de Tóquio 2020, Yoshiro Mori, conversou com a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, sobre o plano de formar uma força-tarefa para discutir os procedimentos de segurança que serão adotados durante o vento.

Comentários (0)

Leave a Reply

© 2018-2020 Agência Olímpica.

Rolar para cima