Rafaela Silva é punida pela PanAm Sports e terá que devolver medalha de ouro

Rafaela Silva é punida pela PanAm Sports e terá que devolver medalha de ouro

Apesar da alegação de contaminação, a judoca Rafaela Silva terá que devolver a medalha de ouro que conquistou nos Jogos Pan-americanos de Lima, em agosto. Isso porque a PanAm Sports, entidade que organiza os Jogos, publicou um relatório com todos os 15 casos positivos de doping no torneio e suas respectivas sanções.

No comunicado, emitido nesta quarta-feira (25), lê-se: “A participação da atleta nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019 foi anulada e, portanto, ela perdeu a medalha de ouro que conquistou no evento de -57 kg do judô.”

Rafaela Silva, 27 anos, testou postivo para fenoterol, em 9 de agosto, após vencer a final da categoria até 57 kg. A substância é usada para o tratamento de doenças respiratórias e atua como broncodilatador. Ela é considerada doping porque ajuda na abertura dos pulmões e, assim, facilita as trocas gasosas.

Além de Rafaela, há outros 14 casos de atletas com amostras reagentes para alguma das substâncias proibidas pela Wada, a Agência Mundial Antidoping. Entre estes casos, está o do brasileiro Kacio Fonseca, flagrado com a substância LGD – 4033, que levou o Brasil a perder a medalha de bronze conquistada na disputa por equipes do ciclismo de pista.

A Federação Internacional de Judô (IJF) afirmou que o futuro de Rafaela ainda é incerto. A IJF explicou que, como a análise foi positiva, “o resultado do Pan será cancelado, assim como qualquer outro resultado obtido após a data da coleta da amostra, a não ser que a justiça determine o contrário”. Portanto, ainda não é possível afirmar se a judoca manterá ou não a medalha de bronze que conquistou no mundial de judô, mês passado, em Tóquio, Japão.

Rafaela Silva pode ficar fora das Olimpíadas de Tóquio

Se comprovado o uso intencional da substância, Rafaela Silva perderá as Olimpíadas do próximo ano. A IJF apresentou três cenários possíveis para a judoca:

  1. Se ela provar que não teve culpa na contaminação, não será suspensa;
  2. Se ela provar que o uso não foi intencional, a suspensão prevista é de dois anos;
  3. Se ela não conseguir provar que o uso não foi intencional, a suspensão é de quatro anos.

Rafaela é a atual campeã olímpica da categoria até 57 kg e tentará o bicampeonato na Olimpíada de Tóquio, caso consiga provar sua inocência neste caso.

Comentários (0)

Leave a Reply

© 2018-2020 Agência Olímpica.

Rolar para cima