notícia e opinião sobre esporte

Justiça Federal determina interdição dos parques olímpicos da Barra da Tijuca e de Deodoro

A decisão atende a um pedido do Ministério Público Federal (MPF), até que documentação para funcionamento seja fornecida; prefeitura vai recorrer

Rio de Janeiro, Brasil – Quase quatro anos após a Olimpíada Rio 2016, o comitê local continua a enfrentar problemas com a gestão das instalações construídas para a competição. Na quarta-feira (15), a Justiça Federal no Rio de Janeiro determinou a interdição dos parques olímpicos da Barra da Tijuca e de Deodoro.

A decisão do juiz Eugenio Rosa de Araújo atende a um pedido do Ministério Público Federal (MPF), até que sejam fornecidos o laudo de vistoria Corpo de Bombeiros e o “habite-se” da prefeitura.

A prefeitura informou que vai recorrer da decisão.

No despacho, Araújo justificou que, principalmente no parque olímpico da Barra, onde ocorreu a maior parte das competições de 2016, regularmente são realizados eventos de grande apelo, como shows e festivais, que recebem milhares de pessoas.

A ‘Cidade do Rock’, no Parque Olímpico da Barra, durante o Rock in Rio 2017. Foto: Divulgação

“Esse cenário, composto por locais progressivamente castigados pela falta de cuidado e pela presença de milhares de pessoas, se coloca de prontidão para a ocorrência de tragédias”, observou.

Em sua decisão, o magistrado ressaltou a necessidade de “preservação da segurança da população”. O prazo para o cumprimento da decisão é de 48 horas.

O parque olímpico da Barra da Tijuca possui cinco arenas esportivas permanentes, com capacidade para mais de 107 mil pessoas. A construção do local, realizada entre 2012 e 2016, custou cerca de 2,34 bilhões de reais à época.

Atualmente, a maiorias dos locais serve de sede para o Comitê Olímpico do Brasil (COB), como é o caso da Arena Carioca 2, e outras federações esportivas, caso da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), que usa a antiga Arena Carioca 3.

A situação no chamado parque radical de Deodoro é ainda mais preocupante. A pista do Centro Olímpico de BMX está cheia de buracos e as rampas de acesso foram tomadas pela vegetação. O estádio de canoagem slalom, que fica ao lado, também está com sinais de abandono. 

Leia também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao continuar usando este site, você concorda com a utilização de cookies. AceitarLeia mais