Roger Federer deixa o ranking da ATP após quase 25 anos

Sem disputar torneios há algum tempo por causa de problemas de saúde, o suíço Roger Federer não pontos para mantê-lo no ranking da ATP

Miami, EUA – Pela primeira vez em quase 25 anos, o nome do suíço Roger Federer não aparece no ranking da ATP. Com o fim de Wimbledon e a queda dos pontos pendentes das edições de 2021 ou 2019, por causa dos pontos congelados, o veterano da Basileia ficou zerado e não se encontra na lista divulgada nesta segunda-feira.

Federer estreou no ranking em 22 de setembro de 1997, ocupando a 803ª colocação em simples e 1137º nas duplas. Praticamente um ano depois, ele deu seu primeiro grande salto e entrou no top 500 pela primeira vez, saindo de 878º para 396º. A estreia no top 200 veio em 8 de fevereiro de 1999, quando chegou ao 176º lugar.

A estreia no top 100 não demorou muito a acontecer e ainda em 1999, no dia 20 de setembro, o suíço chegou à 95ª colocação. Um ano depois, em março, Federer debutou no top 50. Foi preciso também de mais uma temporada para alcançar o top 20, marca que conseguiu em abril de 2001.

Em maio de 2002, o tenista de 40 anos chegou ao top 10 pela primeira vez, passando depois 968 semanas nesta faixa, um recorde com quase 100 a mais do que o espanhol Rafael Nadal, que aparece em segundo com 877 semanas. Federer também é o recordista de semanas no top 5, com 859, tendo chegado lá pela primeira vez em janeiro de 2003.

O tão almejado número 1 foi alcançado pela primeira vez em 2 de fevereiro de 2004. Federer é o segundo maior líder do ranking, com 310 semanas, atrás das 373 semanas de Novak Djokovic. Porém, em sequência ele ainda é o recordista, com 237 semanas consecutivas, contra 122 do sérvio, que é apenas o quarto nesta lista, atrás de Jimmy Connors (160) e Ivan Lend (157).

PUBLICIDADE

Últimas notícias

LEIA TAMBÉM