John McEnroe defende Novak Djokovic e diz que tênis não é sobre popularidade

  • O norte-americano reforçou a importância de respeitar Djokovic por todas suas conquistas, por toda sua consistência

Londres, Inglaterra – Embora seja agora o maior número 1 da história da ATP e um dos maiores vencedores de Grand Slam, com 20 conquistas, ao lado do espanhol Rafael Nadal e do suíço Roger Federer, o sérvio Novak Djokovic parece ainda não ter conquistado tantos fãs como os grandes rivais. Porém, para o norte-americano John McEnroe essa é uma questão sem importância alguma.

“O tênis não é um concurso de popularidade. Ser aquele cara que todo mundo ama, aquele que todos querem ganhar, não dá a vitória a ninguém e são dessas vitorias que o esporte se trata. Você não pode deixar de respeitar o sérvio pelo que ele conquistou”, escreveu o norte-americano em um artigo na BBC Sport.

“Isso vem do talento supremo, multiplicado pelo trabalho árduo, infinito. Trabalho duro em cada pequena coisa: jogo, corpo, dieta, mente, o pacote completo. Não é um concurso de popularidade. Podem pensar que ele é frio, clínico e chato, mas isso não significa nada porque o que precisam respeitá-lo toda vez que pisa em quadra”, acrescentou McEnroe.

O norte-americano reforçou a importância de respeitar Djokovic por todas suas conquistas, por toda sua consistência. “Ele luta ferozmente e implacavelmente pela vitória. Você não pode deixar de respeitar um cara agora com 20 Grand Slam, que ganhou todos os campeonatos pelo menos duas vezes”, opinou o ex-número 1 do mundo.

“Não dá para não respeitar um cara que venceu Wimbledon seis vezes, que fez isso na maior era do tênis masculino de todos os tempos. Repito: não é um concurso de popularidade. Quando seu tempo acaba, você é julgado pela quantidade de seguidores que tem? Você é julgado por quantos fãs têm suas camisetas e gritam seu nome? Não, você é julgado pelo que fez em quadra. E com o tempo eles podem até mesmo começar a gostar de você”, finalizou.

Comentários (0)

Leave a Reply

© 2018-2020 Agência Olímpica.

Rolar para cima