Naomi Osaka desiste de Wimbledon e prioriza Olimpíada de Tóquio

  • O Grand Slam londrino começa daqui a 11 dias, em 28 de junho. A prioridade da japonesa será a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio

Londres, Inglaterra – Pouco mais de duas semanas depois de abandonar a disputa de Roland Garros por questões relacionadas à sua saúde mental, Naomi Osaka anunciou nesta quinta-feira que também não vai jogar em Wimbledon. O Grand Slam londrino começa daqui a 11 dias, em 28 de junho. A prioridade da japonesa será a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

“Naomi não vai jogar em Wimbledon este ano. Ela está passando algum tempo com a família e amigos e estará pronta para as Olimpíadas, animada para jogar para os fãs em seu país”, diz o breve comunicado emitido pela equipe de Osaka nesta quinta-feira. A japonesa já era dúvida para Wimbledon desde que anunciou a desistência do WTA 500 de Berlim, que acontece nesta semana em quadras de grama, e seguiu para Los Angeles, onde mora e treina.

Em três participações anteriores no Grand Slam londrino, Osaka nunca passou da terceira rodada. Na edição mais recente do torneio, disputada ainda em 2019, a japonesa foi eliminada ainda na rodada de estreia.

Direção do torneio já monitorava situação da japonesa

A situação Osaka já vinha sendo monitorada pela organização do torneio de Wimbledon. A diretora executiva Sally Bolton falou nesta quinta-feira à BBC que manteve contato com o staff da tenista, em busca de soluções para o fato de não ter participado das entrevistas coletivas durante o Slam parisiense.

“Falamos com a equipe dela nas últimas semanas e continuamos em contato não apenas com a Naomi, mas com todos os jogadores”, disse Bolton. “Iniciamos uma consulta. Mas é claro que essa consulta deve incluir não apenas os jogadores, mas também a mídia e todos os envolvidos no torneio”.

Mais cedo, na última quarta-feira, o diretor do torneio Jamie Baker deu entrevista à agência Reuters. Ele havia informado à equipe de Osaka que os organizadores estavam “completamente abertos para qualquer discussão” em caso de qualquer problema.

Após a desistência da jogadora, a direção do evento também emitiu um comunicado de apoio. “Você fará muita falta, Naomi Osaka. Desejamos a você tudo de melhor em casa e nas Olimpíadas e esperamos recebê-la de volta no próximo ano”.

Osaka revelou sofrer de depressão

Vencedora de quatro títulos de Grand Slam, Naomi Osaka está com 23 anos e anunciou antes de Roland Garros que não participaria das entrevistas durante o torneio. Isso rendeu a ela uma multa de US$ 15 mil após a primeira rodada em Paris e uma ameaça de novas sanções, que incluiriam a desclassificação do torneio e suspensão dos próximos Grand Slam.

No dia seguinte, Osaka fez um novo pronunciamento nas redes sociais em que revelou sofrer de crises de depressão desde a conquista do US Open de 2018. Afirmou ainda que ficaria um tempo longe das quadras, mas que espera poder voltar ao circuito em breve para discutir com dirigentes regras que tornem o ambiente mais saudável. Inicialmente inscrita para atuar em Berlim nesta semana, ela também desistiu do torneio alemão em quadras de grama.

Comentários (0)

Leave a Reply

© 2018-2020 Agência Olímpica.

Rolar para cima