Roger Federer: ‘Sou realista, não vou vencer Roland Garros’

Paris, França – De volta ao saibro de Roland Garros depois de dois anos, Roger Federer não esconde que sua meta para o torneio é ganhar confiança e ritmo de jogo antes da temporada de grama, sua prioridade no circuito. O suíço estreia no Grand Slam francês nesta segunda-feira, a partir das 11h (de Brasília) contra o uzebque Denis Istomin, 204º do ranking, mas chega sem grandes expectativas.

“Sou realista por saber que não vou vencer Roland Garros, e quem pensou que eu iria ou poderia vencer está errado”, disse Federer, que disputou apenas dois torneios na temporada, os ATP 250 de Doha e de Genebra. Ele ficou mais de um ano fora do circuito, depois de passar por duas cirurgias no joelho direito e por um longo processo de recuperação física.

“É claro que coisas mais loucas podem acontecer, mas eu não tenho tanta certeza se nos últimos 50 anos apareceu algum jogador de 40 anos, e que ficou um ano e meio e sem jogar, que acabou ganhando o torneio”, acrescenta o veterano de 39 anos e número 8 do mundo. Ele já enfrentou Istomin sete vezes e venceu todas. O suíço está do mesmo lado da chave que seus principais rivais, podendo enfrentar Novak Djokovic nas quartas e Rafael Nadal na semi.

Roger Federer foi eliminado ainda na estreia em Genebra, há duas semanas, e comentou na época que vinha treinando bem no saibro, mas que ainda não conseguia replicar o mesmo desempenho durante o jogo. “Sinto que nos treinos, eu tenho jogado melhor. Mas, como sabemos, o jogo é uma coisa bem diferente”.

Recentes