Ultimate magazine theme for WordPress.

Eliminação precoce no Australian Open impõe incertezas sobre o futuro de Maria Sharapova

"Eu não tenho uma bola de cristal para dizer se posso ou se jogarei o número de torneios que eu gostaria", disse a russa em entrevista coletiva após a derrota na primeira rodada

Melbourne, Austrália – Eliminada ainda na rodada de estreia do Australian Open, a russa Maria Sharapova não sabe se irá disputar a próxima edição do torneio. Desde que operou o ombro, em fevereiro do ano passado, a ex-número 1 do mundo venceu apenas três jogos e vem caindo muito no ranking. Campeã em 2008, ela só disputou o Grand Slam australiano porque foi convidada pela direção do evento.

“É difícil dizer o que acontecerá em 12 meses. Eu não sei”, disse Sharapova após a derrota por 6/3 e 6/4 para a croata Donna Vekic. “Tive a sorte de estar aqui e felizmente o Craig [Tiley, diretor do torneio] e sua equipe me permitiram fazer parte deste evento”.

A derrota na estreia também terá um impacto muito negativo no ranking de Sharapova. Dos atuais 407 pontos que possui, ela precisva defender 295 em Melbourne. Assim, sairá do atual 145º lugar e ficará abaixo do top 300. Até por isso, ela foi perguntada se poderia disputar torneios menores, como os da série 125k da WTA ou do circuito da ITF.

“Honestamente, eu daria uma resposta mas simplesmente não sei. Ainda não pensei na minha agenda daqui para frente”, comenta a russa, que completará 33 anos em abril. “Eu não tenho uma bola de cristal para dizer se posso ou se jogarei o número de torneios que eu gostaria”.

Eliminação precoce no Australian Open impõe incertezas sobre o futuro de Maria Sharapova
Sharapova cumprimenta Venkik pela vitória no Australian Open. Foto: © Getty Images

Algoz de Sharapova no torneio, Vekic é a número 20 do mundo e tenta voltar a ter um bom resultado em Grand Slam depois de ter chegado às quartas de final do US Open no ano passado. A jogadora de 23 anos agora enfrenta a francesa Alizé Cornet, que derrotou a romena Monica Niculescu por 5/7, 6/1 e 6/1.

“Maria é uma grande jogadora e uma campeã. Eu treinei com ela na pré-temporada, e foi o meu primeiro treino, enquanto ela já vinha jogando há algum tempo. Ela acabou comigo naquele dia, fez 6/1. Então, eu sabia que seria uma partida difícil e eu tive que jogar o meu melhor”.

Leia também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao continuar usando este site, você concorda com a utilização de cookies. AceitarLeia mais