‘Não somos a melhor seleção, mas vamos brigar’, diz José Roberto Guimarães

  • Técnico da seleção feminina de vôlei, José Roberto Guimarães avaliou as chances do país na Olimpíada de Tóquio 2020
‘Não somos a melhor seleção, mas vamos brigar’, diz José Roberto Guimarães

Rio de Janeiro, Brasil — A equipe feminina de vôlei do Brasil não é a favorita a conquistar o ouro nos Jogos de Tóquio 2020. Quem diz isso é o próprio técnico da seleção, José Roberto Guimarães. Apesar disso, as brasileiras vão brigar por um pódio.

“Não somos a melhor seleção do mundo, mas vamos brigar. China, Sérvia, Estados Unidos e Itália estão à frente. Essas são as candidatas”, disse o treinador em live com a ex-ponteira Virna e a jornalista Glenda Kozlowski. “Depois, no bolo, vem o Brasil e eu não descartaria a Rússia, que vem com um time mais novo”.

Zé, como é carinhosamente chamado por fãs e comandadas, disse ainda que “Olimpíada é um mistério. Os pequenos se agigantam”.

“Sobre o ouro, acho que os Estados Unidos estão batendo na trave há muitos anos. O Kiraly (técnico dos EUA) está de olho numa medalha de ouro e ele está fazendo um bom trabalho. A China tem a Zhu, a Itália a Egonu e a Sérvia a Bosko. São jogadoras que fazem a diferença, principalmente se os times conseguirem levar o jogo até o tiebraek, quando elas ficam mais exuberantes e recebem 70% das bolas”.

Em entrevista recente ao Super FC, o técnico comentou sobre as dificuldades de preparação nesse período de restrições epidemiológicas: “Não dá para fazer Olimpíada de qualquer jeito. Temos que preservar vidas humanas, o povo. Olimpíada pode ter em qualquer ano, mas a vida, não”.

Após a temporada de seleções ter sido suspensa em 2020 por causa da pandemia, Zé Roberto retomou o trabalho com as convocadas no início do mês e teve que lidar com ausências importantes: das centrais bicampeãs olímpicas Fabiana (que deu à luz no dia 17) e Thaisa (se aposentou da seleção no último dia 6 para se preservar fisicamente).

Uma de suas apostas para rejuvenescer o grupo é a ponteira Ana Cristina, 17, revelação do Sesc-Flamengo na última Superliga.

As seleções feminina e masculina começaram a trabalhar para a Olimpíada no dia 5 de abril, no centro de desenvolvimento da CBV (Confederação Brasileira de Voleibol), em Saquarema (RJ). Antes dos Jogos, a principal competição será a Liga das Nações, na Itália, a partir de 25 de maio.

Comentários (0)

Leave a Reply

© 2018-2020 Agência Olímpica.

Rolar para cima